Projeto Capoeira na Escola

Apresentação
Justificativa
Objetivos
Capoeira: Um breve histórico
Importância Pedagógica
Alegrias da Capoeira na Escola
Estratégias
Recursos para Prática

Capoeira e sua Importância Pedagógica

A Capoeira é uma excelente atividade física e de uma riqueza sem precedentes para ajudar na formação integral do aluno. Ela atua de maneira direta sobre os aspectos cognitivo, afetivo e psicomotor. A sua riqueza está nas várias formas de ser contemplada na escola, onde o aluno, através de sua prática ordenada, poderá assimilá-la e, assim, atuar nas linhas com as quais mais se identificar. Porém, existem diversas concepções de Capoeira. Dentre elas, citamos algumas.

Capoeira Luta: representa a sua origem e sobrevivência através dos tempos, na sua forma mais natural, como instrumento de defesa pessoal genuinamente brasileira. Deverá ser ministrada com o objetivo de Capoeira – combate e de defesa.

Capoeira Dança e Arte: a arte se faz presente através da música, ritmo, canto, instrumento, expressão corporal e criatividade de movimentos. É também um riquíssimo tema para as artes plásticas, literárias e cênicas. Na dança, as aulas devem ser dirigidas no sentido de aproveitar os movimentos da Capoeira, desenvolvendo flexibilidade, agilidade, destreza, equilíbrio e coordenação motora, indo em busca da coreografia dos alunos, tanto na parte prática como teórica.

Capoeira Esporte: como modalidade desportiva, institucionalizada em 1972, pelo Conselho Nacional de Desportos, ela mesma deverá ter um enfoque especial para a competição, estabelecendo-se treinamentos físicos, técnicos e táticos.

Capoeira Educação: apresenta-se como um elemento importantíssimo para a formação integral do aluno, desenvolvendo o físico, o caráter, a personalidade e influenciando nas mudanças de comportamento. Proporciona ainda um auto conhecimento e uma análise crítica das suas potencialidades e limites. Na Educação Especial, a Capoeira encontra campo frutífero junto aos portadores de deficiência.

Capoeira Lazer: como prática não – formal, através das “rodas” espontâneas realizadas nas praças, colégios, universidades, festas de largo, etc.

Capoeira Filosofia de Vida: muitos são os adeptos que se engajam de corpo e alma, criando dessa forma uma filosofia própria de vida, tendo a Capoeira como elemento símbolo, e até mesmo usando-a para a sua sobrevivência.

Apesar de termos enumerado algumas concepções e práticas de Capoeira na escola, acreditamos que esta deverá ser ensinada globalmente, deixando que o educando busque a sua identificação em quaisquer dessas formas. Caberá ao professor um papel relevante, orientando e estimulando para que o aluno possa aproveitar ao máximo toda a sua potencialidade.

No jogo da Capoeira, onde são evidenciadas agilidade, destreza, coordenação motora, flexibilidade, e onde o capoeirista desenvolve a criatividade,
zelando pelo respeito e camaradagem, jogando para recrear e não para testar capacidade, o professor deve desenvolver de forma integrada os três domínios de aprendizagem do ser humano: psicomotor, afetivo social e cognitivo.

Conhecimento é domínio do corpo. Controlar a agressividade através de movimentos rápidos e precisos, e proporcionar harmonia entre o corpo e a mente com movimentos suaves e flexíveis serão pontos identificados pelo educando ao iniciar a prática da Capoeira.

O estímulo de todas as partes do corpo seria um exemplo para o praticando entender que a própria natureza possibilitou ao ser humano condições, qualidades e recursos. Tudo tem uma utilidade e pode ser utilizado, desde que haja pleno estado de consciência, pois o potencial humano deve ser testado a cada momento em diferentes situações.

 

TEXTO DO MEC

A Capoeira Também Educa

Atualmente, pedagogos, sociólogos e pesquisadores na área da Educação, são quase unânimes em afirmar que a educação crítica de um povo não pode se desvencilhar do contexto sócio-cultural deste, nem tampouco, de sua realidade presente

(…)

A participação da cultura popular nos conteúdos curriculares está tomando dimensões cada vez mais abrangentes. Certamente, urge a necessidade de se abrir uma brecha nos currículos para àqueles que fazem a cultura do homem real, o homem popular, o que vive o dia-a-dia dos conflitos sociais, àquele que vem resistindo de geração a geração aos desmandos dos “grandes vultos” e dos políticos hediondos. E a capoeira está aí, com todo o seu exuberante acervo de informações, sua riqueza simbólica, seus movimentos de resistência que denotam claramente a nossa conflituosa trajetória política, impregnada de abusos de poder e dominações.

A capoeira está também com o movimento corporal, com a música, a improvisação, a arte, a dança, a liberdade, a luta de classes, enfim, numa roda de capoeira, ou outra atividade inerente a sua prática, encontram-se todos esses elementos que, certamente fazem parte do cotidiano de cada um, que se forem explorados de maneira efetiva e coerente, contribuirão, obviamente, para a instrução e a educação das nossas crianças, dos nossos adolescentes e adultos. (…)

MEC. INEP. ALFABETIZAÇÃO E CAPOEIRA, Jornal do professor de 1º grau, Brasília – DF, Setembro de 1986, Cartilha, p. 08.