O Profissional de Capoeira atuando na Escola

Sem categoria
Por , em 23 de janeiro de 2015

Capoeira Pedagógica

Quando abordamos sobre o papel do profissional de Capoeira dentro da escola, partimos do pressuposto de que tal atividade deva ser encarada como um adendo ao processo pedagógico da instituição, ou seja, algo que venha a agregar valor ao processo.

Nos últimos anos, tem-se evidenciado uma grande inserção da prática da Capoeira dentro da escola, principalmente a partir da década de 1960 (SILVA & HEINE, 2008). Mas este não é um fenômeno pertinente ao Brasil apenas; com o grande êxodo de profissionais de Capoeira para o exterior nos últimos anos, este fenômeno também tem se evidenciado em outros países, principalmente na Europa. Parece que também fora do Brasil tem-se valorizado muito esta arte como mais uma poderosa ferramenta didático-pedagógica utilizada pelas escolas.

No Brasil, a Capoeira é inserida dentro das escolas de diferentes formas: Ora inserida dentro da grade curricular da instituição, principalmente na Educação Infantil, devido à sua maior flexibilidade na abordagem de conteúdos, sendo oferecida muitas vezes no intuito de suprir a falta de Educação Física formal pela qual as crianças são submetidas, assim como ocorre com outras modalidades, como a dança, o judô, o futsal, dentre outras.

Outras vezes, a Capoeira é trabalhada como conteúdo em aulas de Educação Física, ministrada pelo professor docente que detenha algum conhecimento pertinente à arte.

Mas na maioria das vezes, a Capoeira é oferecida como atividade extra curricular, desenvolvida no contraturno escolar, ou após o período letivo, como oficina esportiva. Neste caso, o profissional muitas vezes apenas utiliza o espaço físico da escola, e da estrutura física da escola para conseguir alunos e divulgar seu trabalho, atuando na maioria das vezes de maneira alheia ao processo político-pedagógico da escola, o que deixa de ser interessante tanto para a instituição, quanto para os alunos e corpo docente, uma vez que pouco eles acabam aproveitando desta modalidade que é desenvolvida dentro dos limites da instituição.

Para um melhor aproveitamento do trabalho como um todo, faz-se necessário que o profissional entenda a grande diferença que existe entre a Capoeira na escola, e a Capoeira da escola!

Ainda de acordo com Silva & Heine (2008), a Capoeira na escola pode ser entendida como uma prática esportiva desenvolvida dentro do espaço físico da escola, cujo objetivo na maioria das vezes independe do projeto político-pedagógico da escola, ou seja, a Capoeira é levada ao âmbito escolar da mesma maneira em que é desenvolvida dentro de academias, clubes, etc., pouco interagindo verdadeiramente com a instituição e seu processo pedagógico.

Já a Capoeira da escola seria aquela que está realmente integrada a todo o processo escolar, caminhando paralelamente, alçando voos além das aulas propriamente ditas, interagindo com a escola, promovendo a interdisciplinaridade, dentre outras atividades; este segundo é o perfil que deve ter a Capoeira dentro da escola, desde a Educação Infantil, cabendo ao profissional a responsabilidade de ser o mediador e facilitador deste processo.

Texto extraído da obra Aspectos Pedagógicos da Capoeira, de autoria do prof. Fábio André Castilha.

Saiba mais sobre a obra em http://www.capoeirapedagogica.com.br/livro/

Envie seu Comentário  Leia os Comentários 

Muito prazer, sou Capoeira, INCLUSIVE em Novembro!

Capoeira Pedagógica
Por , em 7 de novembro de 2014

Consciência Negra

Uma pequena reflexão sobre o mês de Novembro – mês da Consciência Negra, relacionado à profissão de Professor de Capoeira.

Uma das grandes conquistas que os brasileiros afro-descendentes puderam galgar nos últimos anos foi, sem sombra de dúvida, a determinação de que no dia 20 de Novembro fosse instituído e celebrado o Dia da Consciência Negra: uma data para reflexão acerca de tudo que o povo africano sofreu – e ainda sofre, em solo brasileiro. Como não poderia ser diferente, compondo parte da herança cultural africana, todos os anos, a prática da Capoeira passa a ser lembrada e requisitada nesta época por diversos segmentos da sociedade, principalmente em âmbito escolar, uma vez que sua característica plástica e riqueza de rituais afro-brasileiros a torna interessantíssima para qualquer docente ou gestor escolar: “Vamos trazer uma apresentação de Capoeira para nossos alunos…” é o discurso mais ouvido nas reuniões pedagógicas no início de Novembro.

Como profissional da arte, confesso que, em um primeiro momento, fico lisonjeado por receber inúmeros convites para ministrar apresentações de Capoeira todos os anos, principalmente ao longo do mês de Novembro. Mas, por outro lado, quando reflito sobre a valorização que a sociedade brasileira dá para a minha arte e profissão, uma tristeza sem tamanho, somada a certa revolta, sobrepõem tal sentimento. No dia de hoje, por exemplo, recebi 5 ligações de gestores de escolas públicas solicitando apresentações; na última delas, o solicitante iniciou o diálogo afirmando que não sabia como havia conseguido meu contato, mas que gostaria de saber se eu faria parte de um grupo de Capoeira. Ao receber a informação positiva, o solicitante praticamente exigiu que eu fosse, com meus alunos, ministrar uma apresentação em sua escola, em data e horário pré-determinados – e voluntariamente.  “Não é isso que vocês fazem? Apresentações de Capoeira na rua, etc.?”, indagou o solicitante. Quando respondi que sou um profissional de Capoeira, e que não dispunha de tempo para atender a tal solicitação, o solicitante desligou o telefone abruptamente, sem sequer agradecer pela atenção desprendida.

Fiquei por alguns minutos pensativo… este é apenas um exemplo do reflexo da pseudo-valorização que a sociedade brasileira dá para a Capoeira, e para as suas inúmeras manifestações culturais de uma maneira geral! “Santo de casa não faz milagres…”, diz o ditado popular. Mas então por quê, em se tratando de cultura estrangeira, a mesma é sempre valorizada no Brasil? Salve a música americana, a culinária européia, as artes marciais orientais, como o Judô, o Karatê, o Taekwondo, o Muay-Thai… Por favor, não me entendam mal! Não sou contra o fomento de aspectos culturais estrangeiros em nosso país – aliás, sou aficionado por lutas orientais, mas supervalorizar o importado em detrimento ao nacional é, no mínimo, sinônimo de ignorância, ou burrice!

Valorize o que há de especial em nosso país! Valorize a Capoeira, patrimônio cultural brasileiro! Valorize os profissionais que lutam diariamente para que a cultura subsista, e que os mesmos possam subsistir da mesma.

Sim, sou profissional de Capoeira acima de tudo, inclusive no mês de Novembro!

Por Fábio André Castilha

O prof. Fábio é professor de Capoeira certificado pelo Grupo Muzenza de Capoeira. Mas é também professor de Inglês, de Educação Física; Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior; Mestre em Ciência da Motricidade Humana; Delegado da Federação Internacional de Educação Física – FIEP; presidente da Associação de Capoeira Pedagógica – ACAPE, entidade com sede em Foz do Iguaçu, com aprox. 1000 alunos, e reconhecida com o título de utilidade pública; Docente efetivo do Colégio Militar de Manaus, Exército Brasileiro; autor e co-autor de 3 livros e inúmeros artigos científicos na área de Capoeira e Educação Física.

 

Envie seu Comentário  Leia os Comentários