Muito prazer, sou Capoeira, INCLUSIVE em Novembro!

Capoeira Pedagógica
Por , em 7 de novembro de 2014

Consciência Negra

Uma pequena reflexão sobre o mês de Novembro – mês da Consciência Negra, relacionado à profissão de Professor de Capoeira.

Uma das grandes conquistas que os brasileiros afro-descendentes puderam galgar nos últimos anos foi, sem sombra de dúvida, a determinação de que no dia 20 de Novembro fosse instituído e celebrado o Dia da Consciência Negra: uma data para reflexão acerca de tudo que o povo africano sofreu – e ainda sofre, em solo brasileiro. Como não poderia ser diferente, compondo parte da herança cultural africana, todos os anos, a prática da Capoeira passa a ser lembrada e requisitada nesta época por diversos segmentos da sociedade, principalmente em âmbito escolar, uma vez que sua característica plástica e riqueza de rituais afro-brasileiros a torna interessantíssima para qualquer docente ou gestor escolar: “Vamos trazer uma apresentação de Capoeira para nossos alunos…” é o discurso mais ouvido nas reuniões pedagógicas no início de Novembro.

Como profissional da arte, confesso que, em um primeiro momento, fico lisonjeado por receber inúmeros convites para ministrar apresentações de Capoeira todos os anos, principalmente ao longo do mês de Novembro. Mas, por outro lado, quando reflito sobre a valorização que a sociedade brasileira dá para a minha arte e profissão, uma tristeza sem tamanho, somada a certa revolta, sobrepõem tal sentimento. No dia de hoje, por exemplo, recebi 5 ligações de gestores de escolas públicas solicitando apresentações; na última delas, o solicitante iniciou o diálogo afirmando que não sabia como havia conseguido meu contato, mas que gostaria de saber se eu faria parte de um grupo de Capoeira. Ao receber a informação positiva, o solicitante praticamente exigiu que eu fosse, com meus alunos, ministrar uma apresentação em sua escola, em data e horário pré-determinados – e voluntariamente.  “Não é isso que vocês fazem? Apresentações de Capoeira na rua, etc.?”, indagou o solicitante. Quando respondi que sou um profissional de Capoeira, e que não dispunha de tempo para atender a tal solicitação, o solicitante desligou o telefone abruptamente, sem sequer agradecer pela atenção desprendida.

Fiquei por alguns minutos pensativo… este é apenas um exemplo do reflexo da pseudo-valorização que a sociedade brasileira dá para a Capoeira, e para as suas inúmeras manifestações culturais de uma maneira geral! “Santo de casa não faz milagres…”, diz o ditado popular. Mas então por quê, em se tratando de cultura estrangeira, a mesma é sempre valorizada no Brasil? Salve a música americana, a culinária européia, as artes marciais orientais, como o Judô, o Karatê, o Taekwondo, o Muay-Thai… Por favor, não me entendam mal! Não sou contra o fomento de aspectos culturais estrangeiros em nosso país – aliás, sou aficionado por lutas orientais, mas supervalorizar o importado em detrimento ao nacional é, no mínimo, sinônimo de ignorância, ou burrice!

Valorize o que há de especial em nosso país! Valorize a Capoeira, patrimônio cultural brasileiro! Valorize os profissionais que lutam diariamente para que a cultura subsista, e que os mesmos possam subsistir da mesma.

Sim, sou profissional de Capoeira acima de tudo, inclusive no mês de Novembro!

Por Fábio André Castilha

O prof. Fábio é professor de Capoeira certificado pelo Grupo Muzenza de Capoeira. Mas é também professor de Inglês, de Educação Física; Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior; Mestre em Ciência da Motricidade Humana; Delegado da Federação Internacional de Educação Física – FIEP; presidente da Associação de Capoeira Pedagógica – ACAPE, entidade com sede em Foz do Iguaçu, com aprox. 1000 alunos, e reconhecida com o título de utilidade pública; Docente efetivo do Colégio Militar de Manaus, Exército Brasileiro; autor e co-autor de 3 livros e inúmeros artigos científicos na área de Capoeira e Educação Física.

 

Envie seu Comentário  Leia os Comentários 

Foz será sede do Campeonato Sul-Brasileiro de Capoeira 2014

Capoeira Pedagógica
Por , em 26 de março de 2014

Capoeria

A maior competição de capoeira do sul do país escolhe Foz como anfitriã!

 Foi confirmado nesta última semana mais um grande evento esportivo em comemoração ao centenário da cidade de Foz. Entre os dias 18 e 21 de Setembro de 2014, no Ginásio Costa Cavalcanti, acontecerá o Campeonato Sul-Brasileiro de Capoeira 2014, evento da Superliga Brasileira de Capoeira, organizado pela ACAPE – Associação de Capoeira Pedagógica de Foz do Iguaçu, e pelo Grupo Muzenza de Capoeira.

Este campeonato será o maior evento competitivo de Capoeira promovido pela Superliga Brasileira de Capoeira no ano de 2014, e faz parte de uma das etapas da seletiva para o 8° Campeonato Mundial de Capoeira, que acontecerá em Agosto de 2015, na cidade do Rio de Janeiro. A escolha de Foz do Iguaçu como cidade-sede se deu em função da celebração de seus 100 anos, pela infraestrutura oferecida pela organização, além dos inúmeros atrativos turísticos característicos desta cidade.

O evento contará com atletas profissionais oriundos de diversos estados brasileiros: delegações do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, e Rio de Janeiro já confirmaram presença. A organização estima reunir aproximadamente 600 competidores de fora da cidade, além dos alunos participantes do projeto de Capoeira Pedagógica da cidade de Foz.  “A Capoeira hoje encontra-se em um patamar de destaque entre as modalidades esportivas, e este campeonato deverá enaltecê-la ainda mais. O Grupo Muzenza, por exemplo, conta com aproximadamente 1000 alunos ativos praticantes em nossa cidade, subdivididos em 18 núcleos/escolas, estes coordenados por 1 mestre e 3 professores, portanto, merece um evento desta magnitude…” comenta o prof. Fábio André Castilha, organizador geral do evento.

Este evento conta com o apoio da FIEP – Federação Internacional de Educação Física, Itaipu Binacional, Secretaria Municipal de Esportes, e da Fundação Cultural de Foz do Iguaçu, e será aberto a todas as escolas de capoeira. As inscrições já encontram-se abertas através dos sites www.muzenza.com.br e www.capoeirapedagogica.com.br

Envie seu Comentário  Leia os Comentários